“O mundo científico está mudando em uma velocidade enorme e novos jogadores estão surgindo rapidamente e contribuindo para o mundo do conhecimento que esta cada vez mas aberto”, disse Walter Marinho, defensor da inovação aberta e da cooperação científica entre os países.

A Colaboração Científica Global no século XXI”, segundo o relatório, a produção científica continua a florescer e o dinheiro gasto em investigação passou os 813 bilhões de euros, ao mesmo tempo que o número de investigadores subiram para mais 7,1 milhões.

A China anda a passos largos em Investigação Científica e Inovação em praticamente todos os setores o que veio a contribuir para uma maior integração Global de Instituições e Investigadores, onde o Brasil não poderia deixar de dar o seu contributo, com grande capacidade de investigadores e instituições as quais iremos trabalhar incessantemente para aumentar a participação de cooperação entre Brasil e China nas principais áreas que para os países são prioritárias como;ÁREAS CIENTÍFICAS PRIORITÁRIAS

  • Biologia Celular e Molecular;
  • Biotecnologia;
  • Materiais e Nanotecnologias;
  • Ciências da Saúde;
  • Ciências Agrárias;
  • Química;
  • Engenharias;
  • Software e Aplicações Informáticas;
  • Energia, Ecologia e Ambiente.
  • Aviação e Aeroespacial
  • Infraestruturas